11 de dez de 2011


ANTES DA SEGUNDA DÉCADA
Vivendo desaprendi a valorizar a vida.
Valorizando a vida esqueci a finalidade da dúvida.
Duvidando me perdi na incompreensão da simplicidade.
Hoje compreendo que trabalhando posso conquistar.
Entendo que amando aprendo a amar.
Sei que escrevendo consigo falar.
Falando consigo embaralhar, atrapalhar e bagunçar.
Já andando consigo movimentar. E é isso que almejo.
Quero movimento. Quero interação. Quero ação inteira.
Mas será que posso exigir sem antes cumprir?
Eis meu grande erro. Aqui está meu maior defeito.
Aqui está a melhor parte de mim. A parte que erra. A parte que cai. A parte que agride.
Muitas vezes não agrido a musculatura. Agrido as emoções.
Chego a perfurar razões e depois me desculpar.
Muitas vezes bagunço a razão só para ter a convicção de que é confiável.
Gosto de segurança.
Gosto de regras. Sou especialista em quebra-las.
Gosto de tanta coisa. Mas isso não é suficiente para eu continuar próxima.
Quebro ligações a fim de unir.
Fecho os olhos para ver.
Abro as mãos para segurar.
Paro muitas vezes para ter forças ao caminhar.
Nada segue nenhuma lógica. A lógica é um mero detalhe.

               Alinne Louise