20 de nov de 2012

Para comemorar o segundo aninho do Cachinhos Tostados criei um novo espaço para divulgar meus mais recentes trabalhos!

O endereço é: http://cachinhostostados.wordpress.com/

Brevemente estará em funcionamento!

8 de nov de 2012


Hoje a madrugada está proporcionando o clima adequado para uma entrega inteira aos meus devaneios, aos meus cadernos e as minhas cifras... Não costumo recusar nunca um encontro com meus pensamentos, mas hoje estou fechando contrato com a paciência. Prometi fidelidade na minha palavra e com minhas ações coloco em prática todas as minhas juras de amor realizadas diante desse céu que Deus abençoou. Pratico todos os dias o dom de amar e é com maior prazer que digo e repito que te amo muito. E caso algum dia eu não possa renovar meus votos, que Deus possa mostrar na beleza da natureza cada sentimento que possuo em meu seio. E que você entenda que amor não é fogo que arde, me desculpe Camões, mas amor é a razão pelo qual eu vivo. 

15 de out de 2012



A felicidade é soberana
Engana-se quem acha que quem escreve os poemas são só os amantes. Eu particularmente não confio em frases rimadas, em estrofes bem construídas e em palavras bonitas. Prefiro os sorrisos de canto, o brilho nos olhos, a mão quente que acaricia e os cabelos assanhados que o vento insiste em movimentar. É assim que meu coração se acelera. Acelera-se também nos dias de provas, mas vamos falar de coisas boas porque a vida tem muito a oferecer.
               Alinne Louise

6 de jul de 2012


Se minha inspiração for eterna, como meu amor, gostaria de ser uma escritora. Assim poderia te amar em minhas estrofes e em meus versos contar suas confidencias.  Mas só as suas, porque se eu contar as minhas terei que te matar.  E eu sei fazer isso muito bem.
Fugirei para o Canadá todas as vezes que chorar por ti. Comerei pipoca usando todas as forças do meu maxilar cada vez que te enxergar em meu caderno. “Xingarei” todas as vezes que me decepcionar com suas “burradas”, mas soltarei um sorriso ao final de cada texto que escrever e ver que minha inspiração sem meus erros, sem meus relacionamentos e sem a sua disponibilidade de me deixar entrar em sua vida não seria nada. Seriam apenas textos passados para as crianças interpretarem e fazerem elas perderem 20 minutos de brincadeiras na rua... 20 minutos e alguns anos procurando uma resposta que o tempo todo estava bem próxima. Próxima de mim e de ti é só questão de não ter medo de enxergar. É só uma questão de querer viver a realidade. 


Alinne Louise

Referência: A frase descrita na imagem foi extraída do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.

7 de mai de 2012


(Sem imagem)
VÉI, Véi... O que tens nessa caixa?
Não tenho permissão jurídica, moral ou civil para escrever sobre ninguém. O que tenho é respeito, apesar de ninguém notar. 
Apesar da insistência do meu pai eu não fui vê o velhinho nesse domingo à noite. Não queria manchar a imagem que tinha dele no portão gritando pela minha mãe a procura de leite. Lembro que raramente compro algo em festas, mas sempre que o via assumindo a função de caixa na sua barraquinha de lanches, ele e aquele baú em suas mãos, ele morto de felicidade por passar a madrugada trabalhando, eu fazia questão de simular um assalto só para ver o pulo que esse velhinho dava.  Sempre perguntava: "VÉÉÉII, VÉÉI... O que tens nessa caixa?" Ele me respondia: "T-R-O-C-O!" E antes de ir embora eu sempre comprava algo e pagava também. Ah... O pagamento era a melhor parte, sempre ficava tentando atrapalhar suas contas, mas ele sempre me passava o troco certo.
Lembro muito bem de sua primeira esposa. Ela faleceu quando eu tinha cinco anos. Lembro-me do que senti quando conversei com ela enquanto ela lutava contra um câncer. Tentei ignorar a sua aparência pálida a fim de aceitar o que ela alegremente, mais exausta que alegre, me dizia sobre a beleza da vida. Eu com meus cinco anos só pensava se havia preocupação naqueles olhos, conformismo ou se simplesmente ela entendia que a morte faz parte do ciclo da vida e que o importante é viver, se sentir viva.  O papagaio de gesso que ganhei dessa senhora não tenho mais. Guardo suas palavras calmas e a imagem de um sorriso e de sua camisola rosa bordada. Mas ao contrário de sua esposa, meu tio nada disse. Nesse domingo ele já não conseguia mais falar. E se meu tio falou alguma coisa eu não ouvi. Eu não estava lá.
Por N motivos minha família esteve abalada nesses últimos meses. Tentei consolar, tentei conversar, tentei ajudar... Hoje eu apenas tento parar de chorar. 

Alinne Louise
Obs: O velhinho do texto faleceu nessa madrugada. Sentirei saudades. 

28 de abr de 2012


(MIM. 2011. Domingo à tarde)

A menina do meu espelho
No meu espelho mora uma menina que raramente resolve mostrar a cara. Ninguém vê quando ela acorda, ela levanta dormindo. Acho que seus pesadelos são mais interessantes que a nossa realidade.  Eu não sei até que ponto isso dói.
Dentro do meu espelho a menina tenta encaixar todos os quem ama. Ela tenta encontrar espaço para acomodar tudo. Acomodar sem incomodar. Mas aquela menina não sabe ter limite... Ela insuportavelmente dorme perto da minha cama, mas não me dá boa noite.  Sempre que estou atrasada ela insiste em me ver de perto para apontar alguma nova e intrometida espinha em minha face.
            Quando a menina do meu espelho resolve aparecer sempre carrega consigo um estojo de maquiagem. Pobre da menina do meu espelho é faminta por sinceridade, mas não quer que ninguém a veja junto das suas poesias.  Não sei o que ela está aprontando, mas ultimamente ela tem aparecido com mais frequência...
              A menina do meu espelho “sinceriza” em versos desabafando nas entre linhas, rir nas rimas, rir na ausência delas. Ela ainda encontra tempo para chorar. Encontra tempo, semana, meses... Encontra motivo e ausência de motivos também.
             A menina do meu espelho de cílios regados abre o amarelo sorriso. E com passos lentos e firmes corre a procura da sua felicidade. Ela ainda carrega aquele olhar de quem sonha em ser cuidada... Mas não vá muito longe menina do meu espelho, eu preciso de você.

Alinne Louise

18 de abr de 2012


(Eu mesma)

“É o amor que está cegando as pessoas?
O sorriso no seu rosto hoje, quem estampou?
Será que foi a venda nos seus olhos?
Quem dera fosse o amor...”
Alinne Louise 

7 de abr de 2012



(Minha área de trabalho em 2011)

Já tive muita pressa ao caminhar, até perceber que estava apenas andando, vagando, morrendo. Mas caminhando que era bom... Nada.
Nesse momento percebi que quando alguém decide saber a verdade deve está disposto a perdoar. Quando se decide ser sincero deve está preparado para a solidão enfrentar. Quando se decide a realidade confrontar, saiba que lágrimas irão rolar. Quando alguém decide amar deve aceitar as qualidades e fraquezas. Se alguém decide olhar deve se preparar para ver. Se alguém decide escrever saiba que a folha em branco irá encarar. Quando alguém está vivo sabe que um dia irá morrer. Mas quando alguém se sente vivo... Ah, esse alguém sabe onde a felicidade encontrar.
Não importa se você tem alguém para mexer no seu cabelo quando o assunto acabar, se você tem alguém que te diga que a ama e que aquece suas noites com beijos sabor Baton branco, alguém que te tira à razão só para vê-la fazendo bico e ficar com as bochechas vermelhas... Tudo isso é muito bom. Se sentir amada é maravilhoso. E se sentir viva é fantástico.
Não consigo finalizar um texto que se trata de amor, pois assim como o amor a fé e as palavras também são infinitas. 

                                                                                                                                                                     Alinne Louise

2 de abr de 2012


 (http://www.flickr.com/photos/renatasweettricot/7014500733/)


Prazer em revê-lo. Até mais.

Ah! Esqueci de mencionar,
Tem muito terreno aqui.
E água nunca faltará,
Pois ela brota do meu olhar,
Um dia eu sei que meu sorriso fará o mesmo.
E ai, então serei livre.
Até lá sou feliz,
Por ter tornado meu jardim fértil.
Eu que me culpei por ter permitido que as lagartas também vissem a beleza da minha rosa...
Mas verei que não é culpa e sim arrependimento.
As lagartas comeram minha rosa.
Mas um dia verei lindas borboletas bailando em meu jardim.
Até lá, terei raiva de ti.
Mas um dia quem sabe serei educada, pois me destes uma oportunidade de errar.
Hoje já perdi as contas,
Mas essa guardo na memória de amigos meus. Na deles.

Escrito em 25 de julho de 2010

1 de abr de 2012

 "Amor e ódio ocupam o mesmo espaço no mesmo coração.
Dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço.
Escolha."



A
l
i
e

27 de fev de 2012

RETALHOS DE MIM

Chegando junto das minhas esperanças passadas, sentada sobre minhas frustações, penso nas situações que enfrentei e em cada arrepio gerado ao tomar decisões, ao domar vontades e ao doar novas oportunidades.
Ao nascer de todos os dias eu prometia a porta aberta manter, o olhar distante sustentar e a voz no silêncio costurar, mas ao mesmo tempo nada prometia ao meu coração. Este órgão vital, ao contrário de mim acompanhado e à margem, ficou sem previsões de um futuro ao qual estou confinada. A confusão dos teus medos e de tuas promessas confortava-o ao ponto de desperta-lo ao sentir teu cheiro. A mudança de plantão gera mais que dúvida, deixa minha vida paralisada e minhas certezas misturadas.
Nessa rotina, eu não sabia mais o que moldava meus princípios e o que alinhava minha opinião. Por que em mim há essa insistência de querer analisar todas as orações, toda coesão, regência e interpretação para obter a força necessária de colocar um ponto final nessa situação? Minha história tem mais fim que começo. Em mim há mais de você do que alguém possa imaginar, pelos menos era assim que eu pensava.
Como você pode ver eu não sorrio com o coração, apenas com os lábios, lábios estes que um dia foram seus. Não te vejo com tanta frequência quanto outrora e quando vejo, não reconheço. Ao te avistar a saudade vem logo me cegando e adormeço nos meus sonhos antes que você se aproxime e me acorde para encarar a realidade vivida –separadamente- por nós agora.
E eu que pensava nunca vir a conseguir viver sem você. Eu, mil vezes humilhada em busca de um carinho que só agora percebo há muito tempo ter deixado de ser meu. Talvez não seja o amor que cegue, talvez sejamos nós mesmos que nos deixemos cegar.
Quem sabe eu já não enxergue as coisas da mesma forma. É fato que o tempo passou e eu me reconstruí. Aquele coração quebrado agora está cicatrizado. Passei a enxergar o que eu julgava ser seu amor não mais uma prioridade, mas uma daquelas coisas que a gente coloca dentro daquela caixinha que guardamos na última gaveta do guarda roupa e que a gente nem abre, atrás de todas as outras coisas.
A verdade é que “com a coragem que a distância dá fica mais fácil” (HG).

Texto feito em parceria com minha queria amiga Mislainy Mayana (http://pensamentosinuteiis.blogspot.com)


14 de fev de 2012


“TÁ SE ACABANDO, MAS AINDA TEM!”¹
Episódio: A
Hoje tenho 24 horas para cumprir todas minhas tarefas. Tenho 10 aulas para presenciar, três refeições para fazer, dois ônibus para pegar, duas vagas livres na biblioteca, três banhos para tomar, seis horas para enfrentar a insônia e descansar, 1 hora de exercícios para me tonificar, meia hora para orar e uma vontade enorme de te dizer que te amo. Como queria te dizer que hoje furei uma fila, que mais cedo meu celular quebrou e meu MP4 também, que tive tempo para almoçar, que dormir durante a penúltima aula, que consertei o DVD do meu compadre, que dei um beijo de boa noite no meu afilhado e acabei acordando-o... 
¹: Propaganda da "geleeeeeia" de coco 
Alinne Louise

11 de fev de 2012



E POR QUE NÃO DIZER?
Sinto muito, mas vou continuar viva.
Desculpe-me, mas não vou fingir.
Perdoe-me, amar é meu destino.
Não tente me entender, mas tente não me julgar.
Não perca tempo olhando para mim.
Não vou frear para a rota te explicar.
E nem tente me impedir.
Não ouse.
A educação nem sempre me acompanha.

Alinne Louise

5 de fev de 2012



Sangue: Você pode derramar ou doar

É uma Imensa alegria segurar uma folha rAB+ iscada com nossos sonhos,
SonhO- s esses que fazemos das tripas coração para realiza-los.
Gastei anos ensinando minhas vísceras a B+ombear sangue.
               ChegA de tantas lágrimas e letras soltas,
               Chega de querer apenas culpar.
               É preciso ter vO+z, combater o roubo.
               O rouB-o de vidas, de conhecimento, de informação, de dignidade.
               Precisamos urgentemente de líquido; águA+, suor e sangue.
               Poupe mais água. Gaste mais suor. Doe sangue.
                
Alinne LO+uise

2 de jan de 2012


Sabe quando suas mãos se entregam ao sono, mas seus olhos continuam inquietos e encharcados? Eu não sei o que significa. Também não entendo quando estamos sós diante e sendo parte da diversão dos outros. Mas meu coração explode quando Deus milagrosamente revela meu sorriso para pessoas que conheço e não reconheço.
Meus braços definitivamente morreram. Minhas mãos estão dormindo. Mas é incrível como meu sorriso não se abalou. Mais impressionante ainda é como estou conseguindo esconder meus braços defuntos, minhas mãos dorminhocas e meu sorriso trêmulo.
Na verdade não escondo nada. Apenas acho que todo mundo deve guardar para si certas certezas, certas dúvidas, certas angustias, certos assuntos. Não tenho palavra final para encerrar a conversa. Só não quero mais voltar a falar no assunto. Tenho pressa em ser feliz e para mostrar a Felicidade para uma certa pessoa alí. Que Deus no acompanhe.  
                                                                                                            Alinne Louise